LCD Dedetização

INEA: UN000943/556110

Tel.: (21) 2228-0085 / 2228-0086 / 2261-8922
(21)98801-6184 / (22)99842-2210
contato@lcddesinsetizacao.com.br
Orçamento sem Compromisso

MORCEGOS


No mundo existem aproximadamente 950 espécies de morcegos, e para surpresa de muitos, sua pelagem pode ser não apenas de cinza à preta, mas também branca, castanha, amarelada e até mesmo avermelhada. Eles são os únicos mamíferos com capacidade de vôo, e vivem em grandes, médias, pequenas colônias, ou ás vezes até solitários.

Apesar de todos os morcegos enxergarem, os pequenos possuem um mecanismos conhecido como "sonar dos morcegos", que seria uma orientação através de ecos, assim como os golfinhos e as baleias. Eles emitem ondas sonoras ultra-sônicas (pelas narinas ou boca; dependendo das espécie). Essas ondas atingem obstáculos no ambiente e voltam em forma de ecos (ecolocalização), que são captados pelos ouvidos do morcego.

A capacidade de vôo talvez seja o motivo que tenha permitido aos morcegos explorarem diversos tipos de alimentos, como insetos, frutos, néctar, pólen, artrópodes, peixes, rãs, lagartos, pequenos pássaros, morcegos e sangue. Os insetívoros somam 70% desses mamíferos voadores. Para os fitófagos a reprodução está diretamente ligada à floração ou frutificação, ocorrendo portanto, em épocas diferentes do ano. Os hematófagos, por sua vez, não tem período definido, já que seu alimento (sangue) está disponível na natureza durante o ano todo. A gestação pode variar de dois à sete meses, dependendo da espécie e, geralmente nasce um filhote. Das quase 1.000 espécie apenas 3 são hematófagas, ou seja, sugadoras de sangue. Em média os morcegos vivem 15 anos e a partir de dois anos têm início a vida reprodutiva.

Animais de criação, e o gado em especial, na zona rural brasileira sofrem séria ameaça, em função dos ataques de morcegos vampiros. Já foram registrados também casos de ataques a seres humanos, alguns até feitos repetidas vezes sem que a vítima se desse conta, pois teve seu sangue sugado durante o sono.

Segundo Manual de Manejo e Controle de Morcegos em Áreas Urbanas e Rurais, Ministério da Saúde (1998) a raiva, doença que é viral, aguda e letal, pode ser transmitida não só pela mordedura, mas por arranhadura ou lambedura de qualquer espécie de morcego. A Histoplasmose por sua vez, se dá por inalação de esporos de fungos encontradas nas fezes acumuladas nos abrigos diurnos dos morcegos.

Devido as fezes acumuladas poderem provocar doenças respiratórias, devem ser colhidas com um aspirador de pó ou bem umedecidas com água para não ocorrer suspensão de partículas.